Embaixador Augustine e Artista CrossRock, Octávio Deluchi estreou no Carnegie Hall aos 24 anos, e desponta como um dos maiores talentos do violão brasileiro na atualidade (O Tempo). É elogiado como um dos mais ativos e brilhantes solistas de sua geração (Acervo Digital do Violão Brasileiro) pela imprensa especializada e já conquistou mais de 15 prêmios em diferentes níveis, como o IBLA Grand Prize (ITA-EUA) , Philadelphia International Music Festival Concerto Competition (EUA), Concurso de Violão Souza Lima (BRA), Foundations Award Recipient (RU-USA), Distinguished Travel Award (SBU/GSO-USA), para citar alguns. Ativo como intérprete, produtor, editor, arranjador e compositor, Octávio é um grande defensor da nova música, tendo estreado obras de Sergio Assad, Vicente Paschoal, João Luiz Rezende, Juliano Camara, David Leisner, Luis Carlos Barbieri, Cleisson José, Terrance Shepherd, Megan Deslinger, Mary Simmons entre outros. Como compositor, arranjador e editor, seus trabalhos são publicados pela Guitar Chamber Music Press nos Estados Unidos e pelo Acervo Digital do Violão Brasileiro, no Brasil.

 

Deluchi já se apresentou em cidades como Nova York, Filadélfia, Little Rock, São Paulo, Rio de Janeiro, Vitória e Belo Horizonte, e em diferentes espaços e eventos, como Composer's Now (NYC), Americas Society/Council of Americas ( Nova York); Odeon Guitar Series (NYC); Starry Nights (NY); Guitar by Masters (EUA); VMEA (EUA); Festival Internacional de Música Musik Expedition; Inverno Cultural de São João Del Rei (MG-BRA); IFCE Ciclo Violonístico (CE-BRA); Festival Internacional de Violão do Espírito Santo (ES-BRA); BNDES Quartas Instrumentais (RJ); e mais. Frequentemente é artista convidado e membro de júri em festivais e concursos de violão brasileiros e aprovou projetos em diferentes bolsas no Brasil, como SESI-FIEMG, BNDES e Secult-MG. Octávio já colaborou e dividiu o palco com nomes como Emmanuele Baldini, Tania León, João Luiz, Luca Raele, Peter Pas, Pedro Gadelha, Matthew Torpe, Guilherme Vincens, Heloisa Meirelles, Robert Trent, Pedro Visockas, Silvio Catto, Eduardo Guterres, Gabriele Leite, Haruna Furukawa, Michael Celentano , Kimberly Kang, Rosana Diniz, Fabio Chamma, Gustavo Fontes, Rafael Ávila, Felipe Oliveira, Nora Spielman, Nate Hurvard, Geraldo Neto, Rodrigo Frade, Ana Chinelato, William Neres, Andre Bachur, Guilherme Andreas, Romulo Viana, Gabriel Preusse, Adhemar Campos Neto, Guido Campos, Rosberg Patrocínio, entre outros. Também já participou de eventos e concertos com Phil Setzer (Emerson String Quartet), Colin Carr, e por duas temporadas se apresentou com o Stony Brook Baroque Ensemble (NY), sob a direção de Arthur Haas.

Os destaques da temporada de 2022 incluíram a turnê do IBLA Grand Prize US Tour, com a estreia no Carnegie Hall; Concerto para Violão de Villa-Lobos com a Orquestra do Festival de Música de Prados (Brasil); Estreia norte-americana de MadrigAfro Guitar Concertino de João Luiz com Solistas de Câmara de São Paulo na Americas Society (New York City), e Violão: An Homage to Sergio Assad, promovido pelo CLACLS e Consulado Geral do Brasil em NYC com João Luiz, Gabriele Leite, e Eduardo Guterres.

Desde 2018, Octávio é artista convidado e professor residente do Festival de Música de Prados, um dos mais tradicionais do Brasil. ​É coordenador do BCGC - Comunidade Brasileira de Violão Clássico, membro fundador e atual colaborador da AssoVio Vertentes - Associação dos Violões Vertentes, e coordenador da série de concertos Domingo na Lira e do projeto Violão na Lira, ambos em Prados, Minas Gerais. Foi coprodutor do podcast Musica sem Nome (2020-2021), e diretor musical do 5' Clock Chaos (UFSJ/GTrans/ALICE/EcoLab), excursionando com o programa em diferentes capitais.

 

​Nomes importantes em sua formação como músico e violonista são Guilherme Vincens, João Luiz, Robert Trent, Paulo Martelli, Fabio Zanon, Vladmir Agostini e Ian Guest. Octávio estudou na UFSJ (BRA), Radford University (RU-VA), e atualmente é doutorando (DMA) na Stony Brook University (SBU). Ele é um Augustine Ambassador, usando Augustine Regal Red, e um CrossRock Artist, usando estojos de guitarra CrossRock. Por dois anos consecutivos, ele recebeu o Dr. Robert S. Trent Endowed Classical Scholarship and Program Fund, na Radford University (VA).

Como educador musical e professor de violão, Octávio possui seu próprio estúdio particular desde 2014, atualmente leciona na Ezra Guitar (Nova York) e orienta música de câmara no programa de graduação em Stony Brook University (SUNY). Mais recentemente, com foco na preparação de audições e provas, alguns de seus alunos foram aprovados em processos seletivos no Brasil. Por dois anos consecutivos, foi Graduate Teaching Assistant (GTA) em Radford University (VA), trabalhando com alunos de graduação da mesma instituição. De 2017 a 2019, Octávio foi o coordenador do programa Violão na Lira, um projeto com cerca de 30 alunos de violão distribuídos em duas turmas, com aulas coletivas e individuais. Os grupos se apresentaram ativamente em diferentes ocasiões, trabalhando com repertório de música de concerto e com arranjos exclusivos para três e quatro violões. Entre 2015 e 2018, Octávio foi orientado por Vladmir Cerqueira, trabalhando em diferentes cidades de Minas Gerais e como instrutor de violão no projeto Música Viva. Alguns dos projetos e atividades relacionados à música popular de que participou incluem grupos de percussão de samba, rock como violonista e cantores acompanhantes de música popular brasileira.