Tendo feito sua estreia no Carnegie Hall aos 24 anos e elogiado como Um dos mais ativos e brilhantes solistas de sua geração (Acervo Digital do Violão Brasileiro) pela imprensa especializada, Octavio Deluchi é recipiente de mais de 15 prêmios diferentes, tornando-se não só uma referência como intérprete em palco, mas também pelo seu trabalho para além do instrumento de seis cordas. Com seus trabalhos como intérprete, produtor, arranjador e compositor, Deluchi vem se firmando como um dos principais músicos da nova geração de violonistas. Algumas de suas conquistas incluem primeiros prêmios no XXXI Concurso de Violão Souza Lima (BRA), Concurso Nacional de Violão Musicalis (BRA), Charlottesville Guitar Competition (EUA), e prêmios no IBLA Grand Prize (ITA-USA), Foundations Awards Recipient (EUA), BDMG Jovem Músico (BRA), Prêmio Revelação II Concurso Movimento Violão (BRA), entre outros. Por dois anos consecutivos, recebeu o Dr. Robert S. Trent Endowed Classical Scholarship and Program Fund, na Radford University (VA).

 

Atualmente é doutorando (DMA) pela Stony Brook University, sob orientação de João Luiz. Nomes como Guilherme Vincens, Robert Trent, Paulo Martelli, Fabio Zanon, Vladmir Agostini e Ian Guest também são importantes em sua formação como músico e violonista. Além disso, é Embaixador Augustine, pela empresa Augustine Strings, uma das marcas mais relevantes no cenário global para o violão. Deluchi é um forte defensor da nova música, estreando obras de Vicente Paschoal, João Luiz Rezende, Juliano Câmara, Luis Carlos Barbieri, Cleisson José, Terrance Shepherd, Megan Deslinger, Mary Simmons, entre outros. Uma parte importante é não apenas a estreia, mas também a construção, junto aos próprios compositores, de uma fiel representação sonora das obras, criando estratégias para que as mesmas cheguem ao público. Algumas das estreias programadas incluem composições de Elodie Bouny, Diego Salvetti, Levy Oliveira e Jean Lopes. Como compositor, arranjador e editor, suas obras são publicadas pela Guitar Chamber Music Press, nos Estados Unidos, e pelo Acervo Digital do Violão Brasileiro, no Brasil.

 

Deluchi já se apresentou como solista ou camerista em diferentes cidades, como Nova York, Filadélfia, Little Rock, São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, através de diversos locais e eventos, como Composer's Now (NYC), Americas Society / Council of Americas (NYC); Odeon Guitar Series (NYC); Starry Nights (NY); Guitar Masters (EUA); VMEA (EUA); Musik Expedition Festival Internacional; Inverno Cultural de São João del Rei (MG-BRA); IFCE Ciclo Violonístico (CE-BRA); Concurso de Violão Souza Lima (SP-BRA); Festival Internacional de Violão do Espírito Santo (ES-BRA); BNDES Quartas Instrumentais (RJ); Triade / Vioesp (SP-BRA); Music Talking; e mais. Frequentemente é artista convidado e membro do júri de festivais e concursos brasileiros, e teve projetos aprovados em diferentes editais no Brasil, como SESI-FIEMG, BNDES, e SECULT-MG.

 

Desde 2020, é um dos coordenadores da BCGC - Brazilian Classical Guitar Community, plataforma online criada para estrear, produzir e lançar projetos com ênfase no repertório brasileiro, compositores e seus instrumentistas, em tempos de distanciamento social. O projeto é uma parceria com Nicolas Porto Silva, Camilla Silva e Gabriele Leite, e já desenvolveu conexões com mais de 60 violonistas em todo o mundo, em lugares como Brasil, Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, França, Argentina , Portugal, Finlândia, Áustria e Itália. Octavio é artista convidado e professor de violão do Festival de Música Prados desde 2018, no Brasil, atuando como solista, com orquestra e em diversos arranjos de câmara. O festival, um dos mais tradicionais do país, foi inaugurado na década de 70, e conta com, principalmente, música de câmara através de concertos diários. Como camerista, Deluchi tocou com nomes como João Luiz, Guilherme Vincens, Robert Trent, Rosana Diniz, Fabio Chamma, Gustavo Fontes, Jefrey Andrade, Rafael Ávila, Felipe Oliveira, Nora Spielman, Nate Hurvard, Robert Trent, Geraldo Neto , Jean Gomes, Rodrigo Frade, Ana Chinelato, William Neres, André Bachur, Adhemar Campos Neto, Guido Campos, Rosberg Patrocínio e mais.

 

É membro fundador e atual colaborador da AssoVio Vertentes - Associação de Violão das Vertentes. O grupo foi criado em 2016 com Jefrey Andrade, Adailson Araújo e Rodolfo Mantovani, e conta também com Jean Gomes e Marcelo Azevedo como atuais coordenadores. A AssoVio Vertentes já promoveu mais de 80 eventos, entre shows, masterclasses e workshops em Minas Gerais, Brasil. Os principais eventos promovidos pela associação são o Circuito de Violão da Vertentes e o Concurso Nacional de Violão AssoVio Vertentes, este último a cada dois anos. Alguns dos artistas que trabalharam e se apresentaram para a AssoVio Vertentes incluem Duo Siqueira-Lima, Marco Pereira, Gilson Antunes, Duo Vincens-Maciel, Thiago Colombo, Daniel Wolff, Duo Reis-Barbeitas, Paulo Inda, Moacyr Teixeira Neto, Claudia Garcia, e mais. No evento mais recente, Festival Escrita Fina / Composição em Pauta (2021), 24 foram estreadas e lançadas quatro novas peças para violão, realizadas em parceria entre compositores e intérpretes.

 

Durante a temporada 2020-2021, em colaboração com Heloisa Carbonera, co-produziu o podcast Música Sem Nome, abordando temas relacionados ao campo musical e suas experiências como profissional e estudante. Alguns dos convidados e entrevistas contaram com Yara Casnok, Sidney Molina, Thiago Abdalla, Abel Moraes, Carla Reis, Antonio Carlos Guimarães, Pedro Aspahan, Paola Pichersky e outros. O podcast ainda está disponível no serviço de streaming de sua preferência. Em 2018-2019, foi diretor musical de O Chaos das Cinco, espetáculo multimídia desenvolvido e apresentado por Alice/GTRANS (UFSJ), e coordenado por Dr. Flavio Schiavoni, Dr. Rogerio Constante e Dr. Adilson Siqueira,  percorrendo diversas cidades do Brasil e apresentada em importantes eventos como Sons de Silício (USP / SP) e Museu Mineiro-SAD (MG). O show une computação musical, live coding, e atuação, passando por conceitos de música ubíqua, tecnologia e política. Além disso, durante o mesmo período, foi coordenador da série de concertos Domingo na Lira, com um total de 19 concertos em Prados, Minas Gerais. A série estabeleceu parcerias com outros programas da região, apresentando atuações de Tadeu Coelho, Mariana Jelen, Trio Clã, Duo Aduar, Duo Vertentes, entre outros, na temporada 2018-2019.

 

Entre 2015 a 2019, realizou mais de 100 concertos, entre recitais solo, concertos de música de câmara, compromissos institucionais e projetos externos. Octávio é Licenciado em Educação Musical com ênfase em Violão pela Universidade Federal de São João del Rei - UFSJ (MG), orientado por Dr. Guilherme Vincens, e mestre em Música pela Radford University (VA), orientado por Dr. Robert Trent.

 

Como educador musical e professor de violão, trabalha com alunos particulares desde 2014. Mais recentemente, com foco na preparação de concertos e provas, alguns de seus alunos foram aprovados em audições em diferentes locais, além de atualmente orientar grupos de câmara a nível da graduação em Stony Brook University. Por dois anos consecutivos, foi Graduate Teaching Assistant (GTA) na Radford University (VA), trabalhando com alunos de graduação da mesma instituição. De 2017 a 2019, foi coordenador do programa Violão na Lira, projeto com cerca de 30 alunos de violão distribuídos em dois conjuntos, com aulas grupais e individuais. Os grupos atuaram ativamente em diferentes ocasiões, trabalhando com repertório musical de concerto e com arranjos exclusivos para três e quatro violões. Entre 2015 e 2018, foi orientado por Vladmir Cerqueira, atuando em diversas cidades mineiras e como instrutor de violão no projeto Música Viva. Alguns dos projetos e atividades relacionados à música popular de que participou incluem grupos de percussão de carnaval, bandas de rock e acompanhando cantores de música popular brasileira.